.posts recentes

. AdmonicoesDo33ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo32ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo31ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo30ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo29ºDomingo do...

. AdmonicoesDo28ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo27ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo26ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo25ºDomingoDoT...

. AdmoniçõesDo24ºDomingoDoT...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Setembro 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

D. Pedro V, um jovem Rei e democrata

 

Que El-Rei D. Luís I me perdoe o ter confundido o seu retrato com o de seu irmão e antecessor, D. Pedro V.

 

Ao assistir em Lisboa à sessão nacional do Parlamento dos Jovens, na Sala do Senado e pensando que o majestoso quadro central era do jovem rei D. Pedro V, ‘o Esperançoso’, fez-me relacionar a feliz coincidência daquela sala cheia de jovens do  século XXI a pensar no futuro da educação, um assunto que tão caro se tornou para este monarca tão novo que quase se poderia comparar em idade aos jovens participantes neste fórum.

 

Lembremos que D. Pedro V era o filho mais velho da Rainha D. Maria I e que viu a mãe falecer quando apenas contava 16 anos de idade, pelo que ocupou a regência do reino seu Pai, o rei consorte D. Fernando II. Neste período de dois anos , até  atingir  a  maioridade  e  ser  aclamado  rei de Portugal, tanto o Príncipe Real como seu irmão, o Infante D. Luís, fizeram  uma viagem de instrução e recreio pelas principais cortes  europeias, com a finalidade de estudarem as novas tecnologias que se desenvolviam nos grandes países civilizados. Poderíamos dizer que os jovens príncipes fizeram um Erasmus com grande proveito para o progresso do nosso país.

 

Maugrado o azar deste reinado que começou com um surto de cólera, seguido de outro de febre amarela, foi este rei amado pelo povo, talvez em retribuição e respeito pelo amor que o monarca tinha tido para com os doentes e suas famílias, expondo-se denodadamente ao perigo de também ser atingido por contágio.

 

A cultura deste jovem rei, demonstrada tanto nos seus discursos políticos como em artigos de opinião e ensaios publicados na imprensa da época, era admirada e respeitada no país e no estrangeiro. A par da sua própria formação (ia por vezes assistir às aulas no Curso Superior de Letras) patrocinou à custa da sua própria lista civil tanto estes altos estudos literários como a primeira escola normal e o primeiro observatório astronómico e ainda escolas para pobres junto dos palácios de Mafra e das Necessidades. Criou alguns prémios literários para fomento desta arte e gostava de conversar com grandes políticos e letrados como Alexandre Herculano a quem muito admirava. Fomentou o desenvolvimento do país com o surgimento do caminho de ferro e do telégrafo e a adopção do sistema métrico.

 

A sua faceta humanitária foi igualmente demonstrada com “a promulgação de medidas de abolição de castigos corporais e da escravatura” e que levaram, seis anos após a sua morte, a que Portugal fosse dos primeiros países a abolir a pena de morte.

Sofreu a perda de sua esposa, D. Estefânia, pouco depois de um ano de casados e faleceu inesperadamente de uma doença infecciosa aos 24 anos de idade.

 

Aqui fica pois uma pequena homenagem a este jovem Rei português que sacrificou a sua vida pelo bem estar do seu povo. As suas bandeiras foram precisamente a saúde e a educação, problemas também centrais nos nossos dias. De realçar o seu contributo em prol da democracia pelo seu papel moderador, “respeitador das liberdades mas firme na defesa e prossecução do bem geral”. Um exemplo impossível em república este pequeno reinado de apenas seis anos de um jovem rei – dos 18 aos 24 anos – que deveria ser apontado como exemplo para os jovens do nosso tempo.

 

Quanto ao retrato da sala do Senado, é de seu irmão, já rei, D. Luís I, pois foi durante o seu reinado que a sala de reuniões dos Pares do Reino ficou concluída.

 

                                                                       Nuno Potes Cordovil

Bibliografia :  consultas à enciclopédia Verbo; http://www.arqnet.pt/dicionario/pedrov.html

publicado por decordovanaturais às 15:27
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds