.posts recentes

. AdmonicoesDo33ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo32ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo31ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo30ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo29ºDomingo do...

. AdmonicoesDo28ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo27ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo26ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo25ºDomingoDoT...

. AdmoniçõesDo24ºDomingoDoT...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Setembro 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Domingo, 3 de Junho de 2007

Junho e os Santos Populares

Cá estamos no mês de Junho.

O calor volta a apertar e esperamos que não venha com muita força, de repente, para não secar tudo.

Em Évora festejávamos, nos meus tempos, os três Santos populares: o Santo António, com grande quermesse no Oratório de S. José, dos Padres Salesianos, onde havia imensas barraquinhas com rifas, tiro ao alvo, carrocel e carros de choque, e a Feira do S. João com as festas da cidade no dia de S. Pedro.

Quanto ao Santo António, as festas acabaram nos Salesianos porque a Câmara exigia pesadas contribuições, esquecendo que as receitas eram a favor de uma escola sem rendimentos e por onde passaram ao longo de gerações tantos rapazes sem outra possibilidade de estudarem. Resta agora, por esta altura, o arraial da Porta de Avis onde há bailaricos e outros folguedos.

A Feira do S. João era uma das maiores concentraçãoes económicas do Alentejo pois não existiam grandes lojas, stands de automóveis nem de máquinas agrícolas e era nesta altura que apareciam as novidades nessas áreas. Havia montes de barracas de quinquilharia, loiças e comes e bebes com os seus cheiros característicos, do peixe seco junto das barracas das palhinhas, das sardinhas, ou  polvo assados, no centro do Rossio, das panelas fumegantes dos feirantes que comiam e viviam no meio de todo aquele pó, dos queijos, linguiças  e presuntos já na rua ocidental. Posso dizer que também os carrinhos do algodão doce ou das farturas nos transmitiam os seus cheiros...

Se descessemos à Horta do Bispo tinhamos a exposição pecuária e perto do bairro da Senhora da Glória, a par de S. Sebastião era a feira do gado.

Por esta altura, havia duas corridas de toiros: no dia de S. João e no dia de S. Pedro. Normalmente, no dia de S. João a cidade era invadida por milhares de pessoas vindas de todo o país em autocarros ou mesmo a pé ou de charrete, das terras visinhas. No Domingo entre os dois santinhos havia um desfile histórico com trajes antigos. No S.Pedro a festa era mais caseira - para os da terra,  acabando a noite com fogo de artifício.

Recordo com saudade a incursão, com minha avó, para comprar o peixe seco com que se faziam deliciosas sopas e sempre acompanhada pela compra de novos chapéus de palha para o verão e alcofas novas lá para casa.

Quando deixámos de fazer queijos em casa também passámos a ir à feira para os comprar e isto tinha o seu quê de ritual pois era preciso provar as várias curas, saber a origem, etc. Não havia queijo com leite de vaca nessa altura. Só de ovelha e de cabra. Compravam-se lotes para as sopas de alface com queijo, muito duros e engelhados, e de meia cura ou já curados para as merendas . A fase do queijo fresco já tinha passado em Março e Abril onde íamos comprá-los aos alavões juntamente com o almeice donde se fazia, já em casa, o requeijão com uns grandes coadores de vários panos. Uma vez por outra, perto da Páscoa, dava direito a fazerem-se queijadas que em casa dos meus avós eram uma delícia.

E digam lá se não é bom recordar...

publicado por decordovanaturais às 12:55
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds