.posts recentes

. AdmonicoesDo29ºDomingo do...

. AdmonicoesDo28ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo27ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo26ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo25ºDomingoDoT...

. AdmoniçõesDo24ºDomingoDoT...

. Casa dos Avós

. AdmonicoesDo23ºDomingoDoT...

. AdmonicoesDo22ºDomingoDoT...

. 28 de Agosto – Santo Agos...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Setembro 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009

A Responsabilidade Social e a Auto-avaliação

 

 

Na convulsão desta crise onde estamos imergindo vêem-se milhares de pessoas e de famílias cuja perda de emprego leva à pobreza. Primeiro, de uma forma envergonhada, escondida e quase com um sentimento de culpa. Depois, mais afoita e desinibida, que a barriga pede alimento e um homem não é de pedra.

O Governo promete alargamento do subsídio de desemprego durante mais uns meses e continua a falar na criação de milhares de novos postos de trabalho que são invisíveis para olhos desempregados…

É verdade que muitas pequenas obras públicas trarão um potencial de fixação de empregos, mesmo que temporários, geradores de procura e logo, num efeito multiplicador, geradores de mais empregos indirectos. É necessário porém que estas contratações sejam transparentes e claras de modo a não ajudarem apenas os ‘boys’ mas a rapaziada toda. È que esta autorização de adjudicação de empreitadas sem concurso público tem muito que se diga numa sociedade que não prima muitas vezes pela lisura no negócio. Luvas e quejandos são fantasmas que se pressentem sem necessidade. Bastaria que os concursos se fizessem com mais celeridade, com menos formalismos, talvez, mas com um espírito de transparência e de responsabilidade social. Seria conveniente que houvesse uma instituição independente para analisar se em cada concurso apareciam realmente vários concorrentes sem acordos escondidos como soe acontecer tantas vezes.

Há quem proponha o abaixamento dos impostos. Embora com o risco de ‘ir o sapateiro além do chinelo’, considero que seria mais vantajoso fixar tectos salariais que não fossem escandalosamente elevados, acima dos quais se taxaria a valer e que se fizesse uma pressão dissuasora para a não existência de múltiplos empregos concentrados em cérebros ‘privilegiados’. De igual modo penalizaria os beneficiários de ‘cartões dourados’, gasolina em excesso, carros topo de gama, despesas de representação absurdas, etc…

Haja coragem de dar o exemplo a partir de cima.

Da mesma forma como o Estado tem obrigação de criar emprego com as tais pequenas obras públicas, deveria haver um controlo rigoroso no despedimento colectivo em tantas empresas. Que uma entidade independente controle eficazmente estas empresas e as suas razões para o pretendido despedimento. No tempo em que se consideravam as pessoas sobre o lucro mandava-se semear pedras depois de se terem juntado, para que os trabalhadores recebessem o seu salário.

Não digo, como alguns políticos, que devem ser os ricos a pagar a crise, mas num sentido de solidariedade, os que têm possibilidades financeiras devem dar as mãos  aqueles que as não têm.

A Responsabilidade Social no seu aspecto de envolvimento com a comunidade, poderá ser a resposta. Uma empresa com desafogo financeiro, embora possa não ter trabalho por ter os armazéns cheios de produtos ou de mercadorias à espera de serem escoados, em vez de despedir os seus trabalhadores, os obrigar a entrar de férias forçadas ou reduzir as horas de trabalho com redução de vencimentos, fomente o trabalho voluntário dos seus colaboradores em organizações de interesse público, pagando a empresa essas horas, ou dê formação aos seus trabalhadores, aproveitando inclusive as  Novas Oportunidades, do Ministério da Educação, diminuindo as horas em posto de trabalho para que as utilizem neste âmbito de aprendizagem.

É esta a solidariedade responsável que poderá fazer toda a diferença.

Vamos entrar na Quaresma. Será, por ventura, O tempo oportuno para não se viver na indiferença: ‘Que tenho eu a ver com o meu irmão?’

sinto-me: preocupado
publicado por decordovanaturais às 16:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds