.posts recentes

. O enfoque da Esperança

. Festa dos Arcanjos S. Mig...

. A Relva

. Umas quadras aos santos p...

. Serei eu simples momento?

. Santa Sofia

. O espelho do meu caos int...

. Eu e o meio envolvente

. Super Nani

. Jonas e S. Vicente

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Setembro 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

O enfoque da Esperança

 

Hoje em dia há quem procure encontrar maneiras técnicas ou científicas de aumentar a produtividade que lhe dê mais rendimentos, traduzíveis em felicidade acrescentada, e no sucesso profissional.

Tendo a felicidade como visão a alcançar, buscam-se estratégias que aumentem a eficácia/ eficiência numa perspectiva de rentabilidade. Estas medidas a tomar são por vezes duras de manter pois não são meras jogadas no xadrez da vida mas se prolongam ao longo de todo o jogo numa constante atenção para ganhar ou de não deixar comer as suas peças.

Não se tratando de meros momentos críticos mas da manutenção permanente do estado de alerta, exige um foco constante nos ganhos e perdas, nas vantagens e desvantagens, sendo um planeamento com princípio meio e fim, activo e evolutivo. Sim, pois o jogo tem parceiros e adversários, em que haverá certamente ganhadores e perdedores.

Para tanta dificuldade procuram-se curandeiros destes problemas que se podem designar por mestres, gurus, treinadores, ou, modernamente, coaches a quem se entrega a direcção intelectual da maneira de viver.

Com o enfoque permanentemente virado para o proveito próprio é fácil um desgaste acelerado e crescente, seja em termos físicos, psicológicos ou emocionais. Para combater estas dificuldades receita-se descanso, hidratação e esvaziamento do espírito dos problemas exteriores à meta desejada. E nesse sentido aconselha-se o dormir tempo suficiente e fazer meditação. É possível treinar estas medidas mas com o stress constante aprofunda-se consequentemente uma tristeza e apatia que vão cavando emoções e estados de alma, levando a momentos frequentes de irritação fácil. A solução passa então por recorrer a medicamentos que muitas vezes criam dependência e efeitos colaterais.

Uma imagem tão negra ou esfumada tem origem no esquecimento ou fuga do verdadeiramente espiritual. A vontade de se sentir independente de um Ser superior/ divino leva a tentar resolver todos os problemas deste modo tecnicista para esquecer que somos criaturas frágeis, limitadas, mas amadas por Deus. Assim, basta ter uma centelha de fé para, com a oração se ganhar força, e no louvor ao Criador se encontrar um sentido de felicidade e de esperança que não se consegue apenas apoiado na sua própria força.

Compreendo que o homem de hoje tem pela frente uma concorrência na sua actividade profissional diferente do que a que tinha há uns anos atrás. Necessita de se preparar para as avaliações constantes a que está sujeito e daí todos estes exercícios que o ajudem a mostrar boas performances. Mas se juntar a esse esforço intelectual o dom da simplicidade, da humildade e deste sentimento de ser criatura amada por Deus, ganhará certamente a paz de espírito, mãe da alegria e da felicidade plena.

Poderemos não ser os melhores, os mais dotados, mas poderemos ser os mais disponíveis, os mais abertos aos outros, que tenham como norma não pensar na concorrência mas na colaboração, não pensar apenas no seu próprio proveito mas no da sociedade.

Ganhemos a esperança de alcançar a verdadeira Felicidade.

publicado por decordovanaturais às 22:33
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds