.posts recentes

. Solenidade da Anunciação ...

. O homem à procura de Deus

. Questionar o sentido da v...

. “Façam barulho!”… Só?

. O enfoque da Esperança

. Festa dos Arcanjos S. Mig...

. A Relva

. Umas quadras aos santos p...

. Serei eu simples momento?

. Santa Sofia

.arquivos

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Setembro 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Questionar o sentido da vida

 

A questão da eutanásia, que neste momento é tão falada e tão pouco discutida, põe-me a pensar em problemas semelhantes que levam muitos ao suicídio.

Até que ponto eu estarei atento a tantos sinais que algumas pessoas vão dando de que não encontram sentido no seu viver e que desistem?

Como poderei pedir a Deus que me ilumine na tarefa de ajudar essa gente que está perto de mim, talvez no meu círculo de amigos ou de conhecidos, por quem sou também responsável, pois não me posso salvar sozinho? Não será talvez só com palavras mas, sempre, com muita oração, e com o testemunho do meu viver.

Já experienciei casos de pessoas que se matam pelo facto de terem medo de sofrer ao morrer; há outros que por causa de dívidas ou outro género de vergonha dão cabo de si…

A vida é um caminho. Umas vezes largo, cómodo, com belas paisagens, mas outras vezes transforma-se em azinhagas pedregosas ou lamacentas, com toda a série de empecilhos que dificultam o andar, mas o grande perigo é quando o caminho se torna um beco sem saída.

No entanto a grande diferença é se o caminhante vai só ou se eu o consigo acompanhar. Se lhe consigo levar a Luz para que ele veja um sentido, ainda que seja ao fundo do túnel, e encontrar a meta: a Vida com sentido: em Deus!

publicado por decordovanaturais às 22:28
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2020

“Façam barulho!”… Só?

 

Estive dia 6 de Fevereiro em Lisboa, assistindo a uma Mesa redonda intitulada “O Programa Nacional de Microcrédito: Passado, presente e futuro”, integrada no 10º aniversário da CASES – Cooperativa António Sérgio para a Economia Social.

Depois de escutar todos os oradores que apresentaram resultados bastante satisfatórios do crédito concedido a PME e a Microempresas, potenciador da criação de emprego e de muito auto-emprego, verifiquei que não tinha sido dita uma palavra acerca do Sobre-endividamento.

Há em Portugal milhares de pessoas que acreditaram na publicidade enganosa de instituições de crédito, incentivando ao consumo e, que de repente, acordam sem capacidade de resolução das suas dívidas, ou porque não souberam refrear uma fome consumista, ou porque subitamente ficaram desempregadas, as suas receitas diminuídas, ou outras despesas urgentes e inesperadas apareceram, ou… acabarem em famílias destruturadas, com problemas psicológicos bastante depressivos e com uma ínfima capacidade de trabalho com qualidade porque ‘a cabeça fica sempre a matutar na solução para esse dia’…

Se eu bem entendi das palavras do Dr. António Curto, ex-coordenador do PNM – Programa Nacional do Microcrédito, cerca de 40% dos beneficiários da linha de crédito intitulada ‘Ser Mais’ desistem nos primeiros dois anos de execução do investimento(1). Mesmo assim é considerado positivo pela criação de emprego alcançada. É um risco mensurável e de certo modo controlado pelo apoio continuado aos promotores pelas entidades que lhes dão apoio.

Estou convicto que criando uma outra linha de crédito dentro do Microcrédito, para os Sobre Endividados, a que poderíamos designar por ‘Deixar de Ser Menos’ , com a mesma taxa de juro – 3,5% ao ano, toda a economia nacional seria beneficiada posto que o diferencial dos juros pagos a menos pela redução das taxas obscenas que chegam a rondar os 20% serviria para capacitar os seus beneficiários à amortização efectiva das suas dívidas, ao aumento da produtividade de trabalho pois deixaria de haver tanta noite mal dormida, à diminuição do consumo de anti-depressivos. Asssim melhoraria a qualidade de vida destes cidadãos que neste momento se arrastam envergonhados e que poderiam voltar a ser consumidores conscientes…

Ao tentar ajudar pessoas nestas circunstâncias contactei com algumas instituições que se dizem especializadas na resolução do sobre- endividado e fiquei admirado com a solução dada: - prolongamento do prazo de amortização, o que se traduz apenas no aumento dos custos financeiros e continuação do estrangulamento em que estes devedores vivem.

A solução, quanto a mim, terá de passar pela diminuição da dívida, responsabilizando as entidades financeiras pelo facilitismo com que concederam os créditos sem atender às capacidades de endividamento dos clientes e pelo abaixamento das taxas de juros aplicadas através de linhas de crédito criadas para o efeito ou bonificação a estas entidades nesse sentido. Igualmente será necessário haver um acompanhamento de proximidade para formação ou consciencialização para um consumo consciente e responsável.

Apercebo-me que até agora as instituições de crédito e as entidades de apoio aos endividados estão mais virados para os seus próprios lucros e benefícios do que para o interesse geral da sociedade, isto é, para a resolução plena deste problema. Uma destas entidades disse-me que estes endividados terão de resolver o seu problema pedindo ajuda na Segurança Social. É certo que a Caritas, nas paróquias, é assediada para tapar buracos, pagando água, luz, telefone, remédios, comida… Mas isto não é solução! É uma panaceia e não um curativo.

Na Casas de Sant’Ana e S. Joaquim, crl, em Évora, estamos abertos a tentar ajudar estas pessoas com formação própria e, talvez, através da criação de um banco de solidariedade social como tantos que estão a desenvolver-se na América Latina, mas para isso é necessário que haja legislação nesse sentido.

 

Nuno Potes Cordovil

(1) 

"Agradecemos a informação que partilhou connosco, a qual mereceu a nossa atenta leitura. Porém, alertamos que o Dr. António Curto não afirmou que “cerca de 40% dos beneficiários da linha de crédito intitulada ‘Sou Mais’ desistem nos primeiros dois anos de execução do investimento”. Aquando dessa referência, o Dr. António Curto referia-se à mortalidade da generalidade das microempresas." Mariana Baptista - CASES

publicado por decordovanaturais às 11:21
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds